Por @latino.romano

¿De qué color es una cebra? ¿Es blanca con rayas negras? O ¿Negra con rayas blancas?.

Desde luego que no voy a hablar de cebras, sino de la percepción monocromática de las cosas que solemos aplicar en muchas facetas de nuestra vida.

No se trata de una consideración religiosa sobre lo bueno o lo malo. No es una aplicación filosófica de lo que nos conviene o no. Solo es un asunto de percepción. De la opinión que nos formamos cuando estamos ante una situación que exige de nosotros una respuesta o un parecer.

Una mujer le grita a un hombre mayor sentado en una mesa. El hombre parece asustado y la mujer furiosa. ¿Está bien lo que hace esa mujer o está mal?

Una visión monocromática nos llevaría a responder que está muy mal, que esa mujer es una mal educada y no tiene respeto por las personas envejecidas. Pero ¿Qué opinaríamos si supiéramos que la mujer es policía, que el hombre mayor es un criminal que estaba por sacar su arma y ella solo le está gritando para que ponga las manos en alto y arrestarlo? Entonces, diríamos que está bien que lo haga.

Pero sigue siendo una visión monocromática, solo que hemos pasado del negro al blanco en un par de segundos.

El hombre podría ser inocente, podría ser todo un mal entendido, la mujer policía podría tener la costumbre de abusar de su autoridad… cada nueva información puede agregarle color a la opinión que nos formemos del evento.

A esa capacidad para ver más allá de lo que está ante nuestros ojos y analizar mejor las cosas se le llama perspicacia.

El perspicaz no tiene una visión monocromática de la vida, entiende que existe el blanco y también el negro, pero comprende que existen otros colores y matices también, y los toma en cuenta.

Descargo de responsabilidad: Las opiniones que se traslucen en este texto obedecen a la óptica personal del autor quien, como toda persona, tiene derecho a expresarlas respetuosamente.

Gheyzer J. Villegas (@latino.romano) es un escritor hispano de relatos y poemas, miembro del mundialmente reconocido grupo The Alliance para quien escribe estos textos inéditos…

 

English version

By @latino.romano

 

What color is a zebra? Is it white with black stripes? Or black with white stripes? 

Of course I am not going to talk about zebras, but about the monochromatic perception of things that we usually apply in many facets of our lives. 

This is not a religious consideration of right or wrong. It is not a philosophical application of what is or is not good for us. It is only a matter of perception. Of the opinion we form when we are faced with a situation that demands an answer or an opinion from us. 

A woman yells at an older man sitting at a table. The man looks scared and the woman looks angry. Is what this woman does right or wrong? 

A monochromatic vision would lead us to answer that it is very wrong, that this woman is badly educated and has no respect for the elderly. But what would we think if we knew that the woman is a cop, that the older man is a criminal who was about to draw his weapon and she is just screaming at him to put his hands up and arrest him? Then we’d say it’s okay for her to do that. 

But it’s still a monochromatic vision, only we’ve gone from black to white in a couple of seconds. 

The man could be innocent, it could be a misunderstanding, the woman cop could have a habit of abusing her authority… every new piece of information can add color to the opinion we form of the event. 

That ability to see beyond what is before our eyes and analyze things better is called insight. 

The perspicacious one does not have a monochromatic vision of life, he understands that there is white and also black, but he understands that there are other colors and shades, and he takes them into account. 

Disclaimer: The views expressed in this text are those of the author, who, like everyone else, is entitled to express them respectfully.

 

Versão em português

Por @latino.romano

 

De que cor é uma zebra? É branca com riscas pretas? Ou preto com riscas brancas? 

É claro que não vou falar das zebras, mas da percepção monocromática das coisas que normalmente aplicamos em muitas facetas das nossas vidas. 

Isto não é uma consideração religiosa de certo ou errado. Não se trata de uma aplicação filosófica do que é ou não é bom para nós. É apenas uma questão de percepção. Da opinião que formamos quando somos confrontados com uma situação que exige uma resposta ou uma opinião da nossa parte. 

Uma mulher grita a um homem mais velho sentado à mesa. O homem parece assustado e a mulher parece zangada. É o que esta mulher faz bem ou mal? 

Uma visão monocromática levar-nos-ia a responder que é muito errado, que esta mulher é mal educada e não tem respeito pelos idosos. Mas que pensaríamos nós se soubéssemos que a mulher é polícia, que o homem mais velho é um criminoso que estava prestes a sacar da sua arma e que ela está apenas a gritar com ele para lhe levantar as mãos e o prender? Então dizemos que não faz mal que ela o faça. 

Mas continua a ser uma visão monocromática, só que passamos do preto para o branco em alguns segundos. 

O homem pode ser inocente, pode ser um mal-entendido, a mulher polícia pode ter o hábito de abusar da sua autoridade… cada nova informação pode dar cor à opinião que formamos sobre o acontecimento. 

Essa capacidade de ver para além do que está diante dos nossos olhos e de analisar melhor as coisas chama-se insight . 

O perspicaz não tem uma visão monocromática da vida, compreende que há branco e também preto, mas compreende que há outras cores e tonalidades, e leva-as em conta. 

Aviso: Os pontos de vista expressos neste texto são os do autor, que, como todos os outros, tem o direito de expressá-los respeitosamente.
¿Quieres conocer un sitio genial en Instagram? Me encantaría que pudieras seguirlo y mirar las curiosas fotos que hay allí…

Categories:

Comments are closed

“We may not all be on the same page, but we can all read from the same book.” – @thehive
The Alliance on Twitter!
Sorry, that page does not exist.
Archives