Por @latino.romano

Las cosas no funcionan o no marchan en la dirección correcta cuando los implicados no procuran aprovechar bien los recursos con los que cuentan. Tampoco funcionan si no existe el respeto adecuado al derecho que tienen los demás de hacer y disfrutar sanamente de las cosas.

Para no complicar las explicaciones, observe la imagen que acompaña a este artículo y fíjese en la historia que cuenta.

Un niño es dueño de una pelota, él no desea jugar con ella, pero tampoco está dispuesto a prestar el juguete al niño de al lado aunque este llore o le suplique.

Otro ejemplo sería cuando alguien no está dispuesto a llevarte en auto a hacer una diligencia, le pides entonces que te de la llave pero tampoco quiere prestarte el vehículo.

Ya sé qué pensarán que hay muchas razones para decir que no es situaciones como las que se describen arriba, Pero yo estoy hablando de las ocasiones en las que no existen razones justificadas para ofrecer una negativa. De esas ocasiones en las que es evidente que existen rencores, desidia, envidia, hipocresía y falsedad detrás de la indisposición de actuar o ayudar.

En mi país existe un dicho popular que reza así: ”Ni lava, ni presta la batea” (una batea es una pieza de concreto donde se puede lavar ropa) y quiere decir que una persona no está dispuesta a hacer alguna actividad, pero tampoco quiere que nadie aproveche la oportunidad de hacerla (de ahí los malos motivos implicados en su comportamiento).

Básicamente es una actitud bastante común en muchos ámbitos de la vida. Si me preguntaran sobre las veces que me he tropezado con gente así… (meneando mi cabeza expresando negación) evocan en mí sentimientos de frustración.

Me pregunto, ¿qué pasaría si el niño que está llorando se gira y le da un puntapié al dueño de la pelota?… ¡Eso no sería correcto! ¡Sería violencia! Replicarían algunos y tienen razón. Pero siendo honrados, muy en el fondo de sus corazones, se les dibujó una sonrisa justiciera gratificante en sus rostros cuando imaginaron la escena.

Es probable que esté muy cansado justo ahora para escribir mis acostumbrados poemas o relatos; ciertamente lo estoy, he tenido que lidiar con muchas cosas negativas en estos días. De allí que les esté aburriendo con estas tonterías. Lo cierto es que cuento con esta herramienta para expresarme, para publicar, para poner mis opiniones por escrito, ¿por qué alguien querría censurarme? Préstenme la batea para lavar a mi gusto.

Pero principalmente sigan expresando sanamente sus propias opiniones y disfrutando de hacer las cosas positivas que les gusten, no imiten al chico de la imagen a menos que ustedes sean tan inmaduros como él, y especialmente sigan leyendo estos artículos de la https://www.thealliance.io/ que es uno de los mejores sitios para estar suscrito.

Descargo de responsabilidad: Las opiniones que se traslucen en este texto obedecen a la óptica personal del autor quien, como toda persona, tiene derecho a expresarlas respetuosamente.
Gheyzer J. Villegas (@latino.romano) es un escritor hispano de relatos y poemas, miembro del mundialmente reconocido grupo The Alliance para quien escribe estos textos inéditos…

English version

 

By @latino.romano

Things don’t work or don’t go in the right direction when those involved don’t try to make good use of the resources they have. Nor do they work if there is no proper respect for the right of others to do and enjoy things in a healthy way.

To avoid complicating explanations, look at the image that accompanies this article and note the story it tells.

A child owns a ball. He does not want to play with it, but he is not willing to lend the toy to the child next to him even if he cries or begs.

Another example would be when someone is not willing to take you by car to run an errand, so you ask him to give you the key but he also does not want to lend you the car.

I know you will think there are many reasons to say that it is not situations like the ones described above, but I am talking about the occasions when there are no justified reasons to offer a refusal. Of those occasions when it is clear that there are grudges, laziness, envy, hypocrisy and falsehoods behind the unwillingness to act or help.

In my country there is a popular saying that goes like this: “Neither wash nor lend the punt” (a punt is a piece of concrete where you can wash clothes) and it means that a person is not willing to do some activity, but neither does he want anyone to take the opportunity to do it (hence the bad motives involved in his behavior).

Basically it is a fairly common attitude in many areas of life. If I were asked about the times I have run into people like that… (shaking my head in denial) they evoke feelings of frustration in me.

I wonder what would happen if the child who is crying turns around and kicks the owner of the ball? That wouldn’t be right! That would be violence! Some people would talk back, and they’re right. But being honest, deep in their hearts, a righteous smile was drawn on their faces when they imagined the scene.

I’m probably too tired right now to write my usual poems or stories; I certainly am, I’ve had to deal with a lot of negative things these days. That’s why I’m boring you with this nonsense. The truth is that I have this tool to express myself, to publish, to put my opinions in writing, why would anyone want to censor me? Lend me the wash basin to my liking.

But mainly keep expressing your own healthy opinions and enjoying doing the positive things you like, don’t imitate the guy in the image unless you are as immature as he is, and especially keep reading these articles from https://www.thealliance.io/ which is one of the best sites to subscribe to.

 

Disclaimer: The views expressed in this text are those of the author, who, like everyone else, is entitled to express them respectfully.

Versão em português

 

Por @latino.romano

As coisas não funcionam ou não vão na direcção certa quando os envolvidos não tentam fazer bom uso dos recursos de que dispõem. Nem funcionam se não houver um respeito adequado pelo direito dos outros de fazer e desfrutar das coisas de uma forma saudável.

Para não complicar as explicações, olhar para a imagem que acompanha este artigo e anotar a história que ele conta.

Uma criança possui uma bola. Não quer brincar com ela, mas não está disposta a emprestar o brinquedo à criança ao seu lado, mesmo que chore ou implore.

Outro exemplo seria quando alguém não está disposto a levá-lo de carro para fazer um recado, pelo que lhe pede para lhe dar a chave mas também não lhe quer emprestar o carro.

Sei que pensarão que há muitas razões para dizer que não são situações como as descritas acima, mas estou a falar das ocasiões em que não há razões justificadas para oferecer uma recusa. Das ocasiões em que é evidente que há ressentimentos, preguiça, inveja, hipocrisia e falsidades por detrás da relutância em agir ou ajudar.

No meu país há um ditado popular que diz o seguinte: “Não lavar nem emprestar o trocadilho” (um trocadilho é uma peça de betão onde se pode lavar roupa) e significa que uma pessoa não está disposta a fazer alguma actividade, mas também não quer que ninguém aproveite a oportunidade para o fazer (daí os maus motivos envolvidos no seu comportamento).

Basicamente, é uma atitude bastante comum em muitas áreas da vida. Se me perguntaram sobre as vezes em que me encontrei com pessoas assim… (abanando a cabeça em negação) evocam sentimentos de frustração em mim.

O que aconteceria se a criança que chora se virasse e chutasse o dono da bola? Isso não seria correcto! Isso seria violência! Algumas pessoas responderiam, e têm razão. Mas sendo honestos, no fundo dos seus corações, um sorriso justo foi desenhado nos seus rostos quando imaginaram a cena.

Provavelmente estou demasiado cansado neste momento para escrever os meus poemas ou histórias habituais; certamente que estou, hoje em dia tive de lidar com muitas coisas negativas. É por isso que estou a aborrecê-lo com este disparate. A verdade é que tenho esta ferramenta para me expressar, para publicar, para pôr as minhas opiniões por escrito, porque é que alguém me quereria censurar? Empresta-me o lavatório ao meu gosto.

Mas principalmente continue a expressar as suas próprias opiniões saudáveis e a gostar de fazer as coisas positivas que gosta, não imite o tipo na imagem a menos que seja tão imaturo como ele, e especialmente continue a ler estes artigos de https://www.thealliance.io/ que é um dos melhores sites para subscrever.

 

Aviso: Os pontos de vista expressos neste texto são os do autor, que, como todos os outros, tem o direito de expressá-los respeitosamente.

 

¿Quieres conocer un sitio genial en Instagram? Me encantaría que pudieras seguirlo y mirar las curiosas fotos que hay allí…

 

 

 

Categories:

Comments are closed

“We may not all be on the same page, but we can all read from the same book.” – @thehive
The Alliance on Twitter!
Sorry, that page does not exist.
Archives