Por @latino.romano

Un polluelo de garza retozaba tranquilamente en su nido sin sufrir preocupación alguna.

Para el pájaro los día transcurrían con la mayor normalidad y seguridad de la que un ave pueda disfrutar. Su madre le traía a diario el alimento necesario para su crecimiento. No había depredadores que lo molestaran, y en su nido había una capa de plumas suficientemente gruesa como para darle comodidad.

Cierta mañana, su madre llegó y, luego de alimentarlo, le dio un empujón y lo tiró del nido. Había terminado la tan apreciada tranquilidad del ave. Ahora tuvo que agitar sus alas tan fuerte como pudo para poder volar y emprender así su nueva vida.

Pero así debía ocurrir, era lo mejor para la garza, no podía vivir para siempre en la seguridad del nido. Tenía que aprender a volar.

Muchas veces debemos dejar la seguridad y la comodidad a la que estamos acostumbrados para hallar el camino que más nos conviene. Hay cosas que no pueden ni deben durar para siempre por muy agradables que sean.

De todas formas, aprender a volar no es malo para las aves. Aprender a vivir no es malo para ninguno de nosotros.

Descargo de responsabilidad: Las opiniones que se traslucen en este texto obedecen a la óptica personal del autor quien, como toda persona, tiene derecho a expresarlas respetuosamente.

Gheyzer J. Villegas (@latino.romano) es un escritor hispano de relatos y poemas, miembro del mundialmente reconocido grupo The Alliance para quien escribe estos textos inéditos…

 

English version

By @latino.romano

 

A heron chick was frolicking quietly in its nest without worry. 

For the bird, the days passed as normally and safely as a bird can enjoy. Its mother brought it the food it needed to grow every day. There were no predators to bother him, and his nest had a layer of feathers thick enough to give him comfort. 

One morning, his mother arrived and, after feeding him, gave him a push and pulled him out of the nest. The bird’s much-appreciated tranquillity was over. Now he had to flap his wings as hard as he could in order to fly and start his new life. 

But it had to happen, it was the best thing for the heron, it could not live forever in the safety of the nest. He had to learn to fly. 

Many times we must leave the safety and comfort to which we are accustomed in order to find the path that is best for us. There are things that cannot and should not last forever no matter how pleasant they are. 

Anyway, learning to fly is not bad for the birds. Learning to live is not bad for any of us. 

Disclaimer: The views expressed in this text are those of the author, who, like everyone else, is entitled to express them respectfully.

 

Versão em português

Por @latino.romano

 

Um pintainho de garças brincava tranquilamente no seu ninho sem se preocupar. 

Para a ave, os dias passaram com a mesma normalidade e segurança com que uma ave pode desfrutar. A sua mãe trouxe-lhe os alimentos de que precisava para crescer todos os dias. Não havia predadores para o incomodar e o seu ninho tinha uma camada de penas suficientemente espessa para lhe dar conforto. 

Uma manhã, a mãe chegou e, depois de o alimentar, deu-lhe um empurrão e puxou-o para fora do ninho. A tão apreciada tranquilidade da ave tinha acabado. Agora ele tinha que bater as asas o mais forte que podia para poder voar e começar a sua nova vida. 

Mas tinha de acontecer, era a melhor coisa para a garça, não podia viver para sempre na segurança do ninho. Ele teve de aprender a voar. 

Muitas vezes temos de deixar a segurança e o conforto a que estamos habituados para encontrar o caminho que é melhor para nós. Há coisas que não podem e não devem durar para sempre, por muito agradáveis que sejam. 

De qualquer forma, aprender a voar não é mau para as aves. Aprender a viver não é mau para nenhum de nós. 

Aviso: Os pontos de vista expressos neste texto são os do autor, que, como todos os outros, tem o direito de expressá-los respeitosamente.
¿Quieres conocer un sitio genial en Instagram? Me encantaría que pudieras seguirlo y mirar las curiosas fotos que hay allí…

Categories:

Comments are closed

“We may not all be on the same page, but we can all read from the same book.” – @thehive
The Alliance on Twitter!
Sorry, that page does not exist.
Archives