Por @latino.romano

La costumbre puede salvar vidas, pero también puede ser peligrosa y perjudicar mucho.

Un hábito muy arraigado puede definir a una persona, prácticamente dictarle sus movimientos como lo haría un entrenador deportivo, y es allí donde pudiera presentarse un conflicto de intereses, en especial cuando por una necesidad, se obliga a esa persona a cambiar sus hábitos.

Si pensamos en estas últimas semanas, donde una enfermedad mundial contagiosa y dañina azota al mundo entero, la gente en general ha tenido que cambiar sus costumbres. Quizá sea más exacto decir que se han visto obligados a cambiar sus hábitos.

Desde luego que esto no es algo fácil de digerir, pues debemos imaginarnos el conflicto que se presenta entre actividades que quizá llevemos años efectuándolas y la restricciones sobre esas actividades que la pandemia impone.

Tan solo mantenerse en casa por tanto tiempo puede ser frustrante para muchos. Caminar a todas partes con un tapa bocas por protección tampoco es algo muy natural.

Sin embargo la gente lo ha aceptado. Es mejor cumplir con estas normas que verse expuesto a una peligrosa enfermedad.

Pero a medida que pasa el tiempo, y la enfermedad parezca retroceder, la costumbre podría mostrar su fuerza y llevarnos a olvidar cuidarnos como debemos. Por esa razón es bueno repasar el por qué se toman esas medidas de restricción y exactamente cómo funcionan, así evitaremos que la costumbre nos haga cometer un error que podría costarnos muy caro.

Descargo de responsabilidad: Las opiniones que se traslucen en este texto obedecen a la óptica personal del autor quien, como toda persona, tiene derecho a expresarlas respetuosamente.

Gheyzer J. Villegas (@latino.romano) es un escritor hispano de relatos y poemas, miembro del mundialmente reconocido grupo The Alliance para quien escribe estos textos inéditos…

 

English version

By @latino.romano

Habit can save lives, but it can also be dangerous and very damaging. A deep-rooted habit can define a person, practically dictating his movements as a sports coach would, and that is where a conflict of interest could arise, especially when a need forces that person to change his habits.

If we think about these last weeks, where a contagious and harmful world disease is hitting the whole world, people in general have had to change their habits. Perhaps it is more accurate to say that they have been forced to change their habits. Of course, this is not an easy thing to digest, for we must imagine the conflict between activities that we may have been carrying out for years and the restrictions on those activities that the pandemic imposes.
Just staying home for so long can be frustrating for many. Walking around with a lid on your mouth for protection is also not very natural. Yet people have accepted it. It is better to follow these rules than to be exposed to a dangerous disease. But as time goes by, and the disease seems to recede, the habit could show its strength and lead us to forget to take care of ourselves as we should.
That is why it is good to go over why such restrictive measures are taken and exactly how they work, so that we do not make a mistake that could cost us dearly.

Disclaimer: The views expressed in this text are those of the author, who, like everyone else, is entitled to express them respectfully.

 

Versão em português

Por @latino.romano

O hábito pode salvar vidas, mas também pode ser perigoso e muito prejudicial. Um hábito profundamente enraizado pode definir uma pessoa, ditando praticamente os seus movimentos como um treinador desportivo, e é aí que pode surgir um conflito de interesses, especialmente quando uma necessidade obriga essa pessoa a mudar os seus hábitos.

Se pensarmos nestas últimas semanas, em que uma doença mundial contagiosa e nociva está a atingir o mundo inteiro, as pessoas em geral tiveram de mudar os seus hábitos. Talvez seja mais correcto dizer que foram forçados a mudar os seus hábitos. Evidentemente, isto não é fácil de digerir, pois temos de imaginar o conflito entre as actividades que possamos estar a desenvolver há anos e as restrições impostas pela pandemia.
Ficar em casa por tanto tempo pode ser frustrante para muitos. Andar por aí com uma tampa na boca para protecção também não é muito natural. No entanto, as pessoas aceitaram-no. É melhor seguir estas regras do que ficar exposto a uma doença perigosa. Mas à medida que o tempo passa, e a doença parece recuar, o hábito pode mostrar a sua força e levar-nos a esquecer de cuidar de nós próprios como devemos.
É por isso que é bom rever a razão por que são tomadas medidas tão restritivas e a forma exacta como funcionam, para não cometermos um erro que nos pode custar muito caro.

Aviso: Os pontos de vista expressos neste texto são os do autor, que, como todos os outros, tem o direito de expressá-los respeitosamente.
¿Quieres conocer un sitio genial en Instagram? Me encantaría que pudieras seguirlo y mirar las curiosas fotos que hay allí…

Categories:

Comments are closed

“We may not all be on the same page, but we can all read from the same book.” – @thehive
The Alliance on Twitter!
Sorry, that page does not exist.
Archives